jusbrasil.com.br
20 de Outubro de 2021

O que você precisa saber sobre a Inviolabilidade do Domicílio?

Tomás Antônio Gonzaga, Advogado
ano passado


A Constituição Federal de 1988, em seu art. 5, XI, estabelece como inviolável o domicílio. In verbis:

“Art. 5º Todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza, garantindo-se aos brasileiros e aos estrangeiros residentes no País a inviolabilidade do direito à vida, à liberdade, à igualdade, à segurança e à propriedade, nos termos seguintes:

XI - a casa é asilo inviolável do indivíduo, ninguém nela podendo penetrar sem consentimento do morador, salvo em caso de flagrante delito ou desastre, ou para prestar socorro, ou, durante o dia, por determinação judicial;[1]

Na esfera penal, diferentemente da área cível, o conceito de “casa” é mais abrangente. Neste caso, utiliza-se as referências contidas nos art. 150, § 4º do Código Penal, e o art. 246 do Código de Processo Penal, nos quais especificam “os locais que devem ser compreendidos como casa”.[2]

Assim, o inciso I do art. 150, § 4º, na utilização do termo “qualquer compartimento habitado”, merece maiores explicações. Nas palavras de Motta Lopes[3]:

“Enquadram-se, por exemplo, casas de veraneio, as barracas montadas em camping e, inclusive, os barracos construídos embaixo de pontes. Com relação a veículos, eles não devem ser considerados como extensões de residências, motivo pelo qual será possível a realização de buscas no interior de automóveis, desde que haja fundada suspeita, inexistindo a necessidade de autorização judicial, especialmente quando estiverem em circulação. Registre-se, porém, que o veículo pode ser considerado como “compartimento habitado” em situações pontuais, havendo a necessidade, agora, de autorização do juiz competente para vistoriá-lo. Nestas conjecturas, em que o automóvel é considerado casa, não se aplicam as regras das buscas pessoais. É o que ocorre, por exemplo, com caminhões parados em postos de combustíveis, durante a noite, em que os caminhoneiros utilizam as cabines para dormir. Portanto, se tiver o veículo sendo usado para pernoite ou como habitação (cabine de caminhão, trailer, motor-home, home-car), ainda que momentaneamente, deve haver permissão judicial para a realização de buscas. Esse mesmo raciocínio deve ser usado quando o veículo estiver estacionado em garagem de uma residência, até porque o conceito de casa abrange todas as suas adjacências (garagens; pátios e jardins, desde que delimitados, por exemplo, por cercas, muros ou grades).”

O inciso II considera como casa os aposentos ocupados de habitação coletiva (quartos de hotéis, pensões, motéis, hostels – desde que ocupados). Destaca-se que, “se os hóspedes já fizeram o check-out, resta perfeitamente possível a realização de buscas pela polícia sem a necessidade de autorização judicial, por se tratar de aposento desocupado”[4].

Não obstante, o inciso III do art. 150, § 4º, do CP, considera como casa, “para fins de busca domiciliar, o consultório médico, o escritório de advocacia, ou outro lugar não aberto ao público em que alguém exerce profissão”[5].

Porém, “a inviolabilidade da casa não representa estorvo absoluto para o descobrimento da verdade, notadamente porque, em caso de flagrante delito, ou durante o dia, mediante prévia autorização judicial”. Durante o dia, como ora mencionado, dentro das formalidades legais, admite-se a violabilidade da casa para a efetuar a prisão ou outras diligências. Ademais, durante a noite, também é admita a violabilidade quando “algum crime está ali sendo praticado ou na iminência de o ser”. Admite-se, também, nos casos de desastre e na prestação de socorros[6].

Ainda, além da ordem judicial e flagrante delito, a possiblidade da violação do domicílio também pode ocorrer nos casos em que houver o consentimento do morador. Destaca-se que “esse consentimento deverá ser dado por pessoa capaz, que compreenda perfeitamente o objeto do requerimento policial, de forma expressa, ainda que oralmente”. Havendo consentimento para a entrada das autoridades na residência, a polícia poderá entrar na casa em qualquer horário – dia ou noite – e efetuar a busca e apreensão sem mandado judicial[7].

Acerca do consentimento do morador, Lopes Jr.[8] faz ressalva:

“A autoridade policial deve certificar-se de que o sujeito que está autorizando o ingresso em sua residência tem plena consciência e compreensão do ato. Inclusive, considerando que o direito de silêncio inclui o de não produzir prova contra si mesmo, de modo que ninguém está obrigado a consentir que a autoridade policial ingresse na sua residência sem mandado judicial, é fundamental que o sujeito saiba as consequências que podem surgir dessa autorização. “

Destaca Aury Lopes Jr. que, quando do consentimento do morador, mediante constrangimento realizado pelas autoridades policiais, a busca e apreensão deve ser decretada como nula pela violação ao art. , IX, da CF. Ademais, outra situação que merece ressalva é a do morador que está preso cautelarmente ou que está em estado de flagrância, sendo, nestes casos, “insuficiente o consentimento dado nessa situação, por força da intimidação ambiental ou situacional a que está submetido o agente”. Assim, portanto, caracterizando como viciado o consentimento e a ilegalidade da busca domiciliar[9].

Na mesma linha, quando da violabilidade do domicílio por flagrância sem previa visibilidade do delito, a autoridade policial deve comprovar a fonte da informação, não podendo fundamentar seu ato em dados anônimos. Nas palavras de Morais da Rosa[10]:

“De fato, o art. 303 do CPP autoriza a prisão em flagrante nos crimes permanentes enquanto não cessada a permanência. Entretanto, a permanência deve ser anterior à violação de direitos. Dito diretamente: deve ser posta e não pressuposta/imaginada. Não basta, por exemplo, que o agente estatal afirme ter recebido uma ligação anônima, sem que indique quem fez a denúncia, nem mesmo o número de telefone, dizendo que havia chegado droga, na casa x, bem como que “acharam” que havia droga porque era um traficante conhecido, muito menos que pelo comportamento do agente “parecia” que havia droga. É preciso que o flagrante esteja visualizado ex ante. Inexiste flagrante permanente imaginado. Assim é que a atuação policial será abusiva e inconstitucional, por violação do domicílio do agente, quando movida pelo imaginário, mesmo confirmado posteriormente. A materialidade estará contaminada pelos frutos da árvore envenenada.”

Em se tratando de mandado judicial para a violabilidade do domicílio, o art. 243, II, do CPP determina que o referido mandado deve “apontar de forma clara o local, o motivo da procura e a finalidade, bem como qual a autoridade judiciária que a expediu”. Desta forma, o mandado de busca e apreensão genérico, incerto ou vago se torna inadmissível, configurando situação absolutamente ilegal[11].

Por fim, ressalto que a nova Lei de Abuso de Autoridade[12] (Lei 13.869/2019), no art. 22, III, criminaliza o cumprimento de mandado de busca e apreensão domiciliar após as 21h ou antes das 05h, sem a determinação legal ou fora das condições estabelecidas em lei.

  1. BRASIL. Constituição (1988). Constituição da Republica Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado Federal, 1988. Disponível em: <https://goo.gl/GWf3ML>. Acesso em: 20 abr. 2017.

  2. WENDT, E.; LOPES, F. M. (Org.). Investigação criminal: provas. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 2015. p. 122.

  3. WENDT, E.; LOPES, F. M. (Org.). Investigação criminal: provas. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 2015. p. 122-123.

  4. WENDT, E.; LOPES, F. M. (Org.). Investigação criminal: provas. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 2015. p. 123.

  5. BADARÓ, G. H. Processo penal. 4. ed. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2016. p. 497.

  6. BARROS, M. A. de. A busca da verdade no processo penal. 4. ed. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2013. p. 180.

  7. LOPES JR., A. Direito processual penal. 12. ed. São Paulo: Saraiva, 2015. p. 521.

  8. LOPES JR., A. Direito processual penal. 12. ed. São Paulo: Saraiva, 2015. p. 369.

  9. LOPES JR., A. Direito processual penal. 12. ed. São Paulo: Saraiva, 2015. p. 522-523.

  10. ROSA, A. M. da. O mantra do crime permanente entoado para legitimar ilegalidades nos flagrantes criminais. 2014. Disponível em: <https://goo.gl/CcHjE6>. Acesso em: 15 abr. 2017.

  11. LOPES JR., A. Direito processual penal. 12. ed. São Paulo: Saraiva, 2015. p. 525.

  12. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2019-2022/2019/lei/L13869.htm

2 Comentários

Faça um comentário construtivo para esse documento.

Não use muitas letras maiúsculas, isso denota "GRITAR" ;)

Excelente! continuar lendo

Obrigado! Fico feliz em poder ajudar! Um abraço. continuar lendo